Quando o Botafogo PB jogou na Europa, como se fosse o Glorioso

 



(Nehemias Falcão, apaixonado torcedor do Belo, residente no Recife, manda-nos reportagem escrita pelo jornalista paraibano Francisco Di Lorenzo Serpa)

 

Foi no dia 02 de agosto de 1984, que a delegação embarcou do Aeroporto dos Guararapes do Recife, em busca dos dólares prometidos. O presidente do clube, Geraldo Carvalho, acompanhado de meia dúzia de diretores, chefiou a delegação, que tinha Erandir Montenegro, como técnico, e os seguintes jogadores: Pavão, Pedrinho, Walmir, Bitonho, Cleonaldo, Zito, Julival, Jaldo, Zé Alberto, Carioca, Carlos Roberto, Carlinhos Mocotó, Edinho, Rocha, Jorge Luiz e Mariano; Chinacão, como massagista e o Dr. Roberto Correia Lima, médico. A nossa competente imprensa foi representada por João Camurça (Rádio Tabajara) Roberto Machado (Rádio Arapuan) e Marcos de Luna Freire, que comentava os jogos.

Nem tudo foram flores. Primeiro, venderam o time paraibano como se fosse o seu homônimo carioca, que era bastante conhecido lá fora. Segundo, os hotéis em que a delegação se hospedou, não eram no nível que constava nos contratos, ao contrário, eram de terceira categoria. Por último, era um jogo atrás do outro, sem o devido e necessário descanso. Foram dez partidas disputadas em gramados europeus. O Belo venceu 04 jogos, empatou três e foi derrotado em três, tendo as arbitragens, o cansaço e as dificuldades estruturais contribuído nas derrotas. Sem contar que enfrentamos times, como os conhecidos Estrela Vermelha, da Iugoslávia, o Panathinaikos, da Grécia e o Dínamo de Zagred.

E quando o Belo resolveu retornar, encerrando aquela odisseia nos campos europeus, o avião Boeing DC 10 da TAP – Transportes Aéreos Portugueses, que já sobrevoava o oceano, acima de 33 mil pés de altura, começou a enfrentar turbulências. Eram muitas as vibrações na aeronave, aumentando paulatinamente e amedrontando a todos, principalmente, os marinheiros de primeira viagem. Foi quando o piloto avisou que havia uma pane, mas não se preocupassem que a aeronave já estava voltando a Lisboa em Portugal.

Essa pane na aeronave tomou uma repercussão enorme, chegando a se propagar, que o avião que trazia o Belo havia caído no oceano. Foi um Deus nos acuda, principalmente, no Viaduto Damásio Franca, local que concentrava vários desportistas da capital. Logo a notícia, para felicidade de todos foi retificada e, no outro dia, a delegação retornou para o Brasil, sendo recebida com festa na antiga Churrascaria Gauchinha.

Na volta, o Botafogo recomeçou os seus jogos no Campeonato Paraibano, conquistou o segundo turno e sagrou-se campeão daquele ano. E para entregar-lhe as faixas de campeão, a diretoria surpreendeu a todos, quando mandou buscar o Servett, campeão da Suíça. Realmente, o Belo tinha gostado dos dólares e dos times europeus.

AMISTOSOS NA EUROPA

Botafogo 1x0 Estoril

Botafogo 1x0 Inalccklis

Botafogo 0x2 Panathinaikos Botafogo 3x2 Zagreb Klub

Botafogo 2x4 Huesca

Botafogo 1x0 Jaen

Botafogo 2x2 Fano

Botafogo 0x1 Estrela Vermelha

Botafogo 1x1 Antequerano

Botafogo 2x1 Rijeka Klub

 


Comentários

Postar um comentário